China, Investimentos, negociações

A China descobre o Brasil

A China descobre o Brasil

Os brasileiros também precisam se adequar, sobretudo aqueles dispostos a selar negócios com os chineses. Os bancos contratam tradutores para adaptar todos os documentos para o mandarim. Isso porque, apesar de os executivos falarem bem o inglês, qualquer negociação firmada pela China passa pelo crivo de diversos níveis hierárquicos. “É diferente de negociar com americanos. Demanda paciência e muito diálogo”, diz Eduardo Centola, sócio do Banco Modal. Essas conversas de negócios geralmente acontecem em jantares, e os chineses gostam quando o anfitrião oferece a própria casa. É sinal de confiança e transparência. O baijiu, uma aguardente chinesa feita com cereais, é indispensável nessas ocasiões. O anfitrião convoca o brinde e, quanto mais perto do chão acontece o toque entre os copos, maior o respeito demonstrado. O ritual faz toda a diferença na hora de selar o contrato.

Leia mais em https://veja.abril.com.br/revista-veja/a-china-descobre-o-brasil/