banco modal, Investimentos, Reforma da Previdência, retomada

Previdência é a encruzilhada para o crescimento do país

Previdência é a encruzilhada para o crescimento do país

Em evento ‘E Agora, Brasil?’, ministro e economista destacam que resolver situação fiscal é condição para retomada duradoura

RIO – Passada uma das maiores de suas recessões, o Brasil experimenta os primeiros sinais de uma retomada que, segundo economistas, prenunciam um ciclo virtuoso com chances de durar uma década. Mas, se a economia volta aos trilhos, os gastos do governo seguem descarrilados, e o culpado principal é a Previdência. Com déficit recorde de R$ 268,7 bilhões em 2017, o sistema de aposentadoria brasileiro já consome mais da metade do que gasta o governo, inviabiliza investimentos em áreas como educação e saúde e aprofunda desigualdades. Provocado por um misto de privilégios e envelhecimento a jato, o problema é alvo da principal proposta de reforma do governo Temer, que enfrenta resistência no Congresso e pode acabar legada ao próximo presidente. Não aprová-la agora, porém, seria ignorar uma oportunidade única de recuperação consistente e duradoura para voltar à rotina de “voos de galinha”, alertaram o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e o economista José Márcio Camargo no encontro “E agora, Brasil?”.

Sem reforma, país corre risco de repetir hiperinflação ou calote

País terá de fazer nova reforma da Previdência em menos de dez anos

Governo admite entrave na comunicação da reforma da Previdência

Em 50 anos, Brasil terá a mesma proporção de idosos do Japão

Regras atuais da Previdência privilegiam parcela mais rica da população

Promovido pelo GLOBO, com patrocínio da Confederação Nacional do Comércio (CNC) e apoio do Banco Modal, o painel debateu os desafios da Previdência na Maison de France, no Rio, na terça-feira. O encontro foi mediado pelos jornalistas Merval Pereira e Míriam Leitão e teve a presença de empresários e outros colunistas e editores do GLOBO.

– Nós gastamos 57% de toda a despesa do governo com a Previdência e 2% com investimento. Estamos gastando com o passado e nada com o futuro – comentou o ministro. – O governo tem condições de transmitir confiança de que as contas públicas vão estar estabilizadas no futuro? Essa é a pergunta que vai definir se nosso crescimento vai ser um voo de galinha ou se vamos ter um grande ciclo. (…) O momento é agora. Temos que aprovar isso. É uma encruzilhada para o futuro do país.

 

EM 20 ANOS, 100% DO ORÇAMENTO

Oliveira lembrou que, enquanto as contas públicas fecharam 2017 com déficit de R$ 124,4 bilhões, a Previdência encerrou o ano com rombo de R$ 182,4 bilhões – levando em conta só o Regime Geral da Previdência Social (RGPS), operado pelo INSS. Incluindo a aposentadoria de servidores e militares, o déficit chega a R$ 268,7 bilhões.

– Portanto, o restante do conjunto precisou ter um superávit de R$ 144 bilhões para compensar o déficit de R$ 268 bilhões – disse Oliveira.

Os números comprovam a urgência da mudança. O rombo do regime geral do INSS saltou 250% em apenas sete anos, para R$ 182,4 bilhões no ano passado. Como proporção do PIB, essa despesa atingiu 8,5% no ano passado, contra 6,8% há dez anos. Camargo observou que, no caso dos benefícios pagos ao setor público, o rombo somou R$ 1,292 trilhão entre 2001 e 2015, muito mais do que o governo gastou com saúde e educação no mesmo período.

– Se hoje gastamos 57% do Orçamento com Previdência Social, daqui a 20 anos serão 100% – afirmou Camargo, professor de Economia da PUC-Rio. – O país fez várias reformas no último ano e meio totalmente inesperadas. O que está acontecendo é claramente o início de um processo de crescimento que pode se tornar sustentável, mas se nós conseguirmos resolver nosso problema fiscal.

A principal mudança proposta pela reforma da Previdência estipula idade mínima para aposentadoria, de 65 anos, para homens, e 62, para mulheres. Se aprovada, ela será adotada de forma gradativa, iniciando aos 55 anos (homem) e 53 (mulher) no INSS. No setor público, avançará dos atuais 60 anos (homem) e 55 (mulher). O governo estima uma economia de R$ 500 bilhões em dez anos.

Embora tenha sublinhado a urgência da reforma, Oliveira reconheceu que o projeto enfrenta oposição. O governo estima ter até agora 270 votos favoráveis no Congresso, mas precisará de pelo menos 308. Por isso, admitiu o ministro, o Executivo está focado em uma estratégia de convencimento pragmática e disposto a fazer concessões – desde que traga apoio e não comprometa sua essência:

– Não aceitaremos que a reforma não combata privilégios. O princípio tem que ser preservado. Alguma alteração pode ser feita, desde que traga votos. Não adianta ficar amarrado a uma ideia e não aprová-la.

 

‘NÃO HÁ PLANO B’

Mesmo sem os votos, Oliveira afirmou que continua trabalhando com uma tentativa de aprovação em fevereiro. O ministro sustentou que o governo não trabalha com plano B e que adiar seria reduzir a eficácia das mudanças. Segundo Oliveira, o que emperra a aprovação é o descontentamento de setores que são hoje indevidamente beneficiados:

– Há pressão de grupos tentando manter tratamentos privilegiados. É contra o que lutamos.

Para Camargo, pressões à parte, o adiamento só terá uma consequência: a obrigatoriedade de uma reforma que a cada dia precisará ser mais dura:

– O plano B seria muito mais duro do que o plano A. Quanto mais tempo passa, maior a porcentagem do Orçamento gasto com Previdência, então, mais terá de ser cortado na reforma. Ela vai ter de ser feita, não tem jeito.

Frederic Kachar, diretor-geral de Infoglobo, Editora Globo e Valor Econômico, elogiou o didatismo com que os números que envolvem a Previdência foram dissecados:

– Foi um debate saudável, baseado em fatos concretos, em números sem controvérsia, e menos em coisas obscuras, subjetivas, e que não se sustentam, mas causam confusão na cabeça das pessoas.

Alan Gripp, diretor de Redação do GLOBO, também destacou a incontestabilidade dos números:

– Os números apresentados são gritantes, essenciais para fundamentar a escolha do país que queremos nos próximos anos.

Ernane Galvêas, consultor econômico da CNC, defendeu a evolução das reformas:

– Para sairmos desta crise, é fundamental que as reformas evoluam. Temos que confirmar a reforma trabalhista, que vem sofrendo muitas ações na Justiça, e fazer a tributária. Mas a mais importante de todas, que terá um grande peso na solução da situação deficitária do país, é a da Previdência. Ela será responsável por equilibrar as contas do país.